"Bê-a-bá" as written by and Rodolfo Leite Goncalves De/campos Abrantes....
Esse é o bê a bá que eu aprendi lá no sertão
Enchendo a cara de cana e a barriga de pão
Para um melhor resultado eu dei um trato no pulmão
E se o cabra for safado a culpa é do lampião

Eu já conheço as pistoleira e cansei de mulher rampeira
A única que não me cansa é a tal de Maria tonteira
Por ela eu como vidro, subo a nado cachoeira
Se ela vier prensada apertada é mais maneira

"Cala boca abestado, deixa de falar besteira
Solução de emaconhado é tapar o sol com a peneira
E quando tu tiver crescido e teu pinto tiver comprido
A vida lhe será cruel"
Mostrando todas as faces e amargando como fel

"Obrigado, sim senhor, por se mostrar preocupado
Só que essa conversa velha é coisa de bebum safado
Que num fez nada na vida e com essa língua comprida
Só quer atrasar o meu lado"
"E pra completar a história eu vou chamar um cheira-fundo
O nariz é de batata e a fama é de vagabundo
Ele acredita em besta-fera e também no fim do mundo
Pra vocês eu apresento Raimundo
O meu nome é Raimundo e comigo não tem vez
Se vocês arengarem comigo eu vou lá e mato vocês
Porque eu não penso duas vez só conto até três
Se tu quer saber o que eu faço fale tudo que tu fez
Falo da vida nordestina porque a morte Severina
É sempre o mesmo negócio
Se eu posso logo faço só não faço quando não posso
Menina se eu te pego eu não deixo é nem os ossos
E se perguntarem quem te viu


Lyrics submitted by Shoot_Me

"Be a Ba" as written by Frederico Mello De Castro Frederico Castro

Lyrics © Warner/Chappell Music, Inc.

Lyrics powered by LyricFind

Bê-a-bá song meanings
Add your thoughts

No Comments

sort form View by:
  • No Comments

Add your thoughts

Log in now to tell us what you think this song means.

Don’t have an account? Create an account with SongMeanings to post comments, submit lyrics, and more. It’s super easy, we promise!

Back to top
explain