Um, dois, três, quatro
Todos os não se agitam
Toda adolescência acata
E a minha mente gira
E toda ilusão se acaba

Dentro de mim sai um monstro
Não é o bem, nem o mal
É apenas indiferença
É apenas ódio mortal

Não quero ver mais essa gente feia
Não quero ver mais os ignorantes
Eu quero ver gente da minha terra
Eu quero ver gente do meu sangue

Pobre São Paulo
Oh, oh
Pobre paulista
Oh, oh
Pobre São Paulo
Oh, oh
Pobre paulista
Oh, oh

Todos os não se agitam
Toda adolescência acata
E a minha mente gira
E toda ilusão se acaba

Dentro de mim sai um monstro
Não é o bem, nem o mal
É apenas indiferença
É apenas ódio mortal

Não quero ver mais essa gente feia
Não quero ver mais os ignorantes
Eu quero ver gente da minha terra
Eu quero ver gente do meu sangue

Pobre São Paulo
Oh, oh
Pobre paulista
Oh, oh
Pobre São Paulo
Oh, oh
Pobre paulista
Oh, oh

Pobre São Paulo
Oh, oh
Pobre paulista
Oh, oh
Pobre São Paulo
Oh, oh
Pobre paulista
Oh, oh

Eu sei que vivo em louca utopia
Mas tudo vai cair na realidade
Pois sinto que as coisas vão surgindo
É só um tempo pra se rebelar

Pobre São Paulo
Oh, oh
Pobre paulista
Oh, oh
Pobre São Paulo
Oh, oh
Pobre paulista
Oh, oh
Parou
Pensou e chegou a essa conclusão

Pobre São Paulo
Oh, oh
Pobre paulista
Oh, oh
Pobre São Paulo, pobre paulista
Pobre São Paulo, pobre paulista
Pobre São Paulo, pobre paulista
Pobre São Paulo, pobre paulista


Lyrics submitted by Shoot_Me

"Pobre Paulista" as written by Edgard Jose Scandurra Pereira

Lyrics © Warner Chappell Music, Inc.

Lyrics powered by LyricFind

Pobre Paulista song meanings
Add your thoughts

No Comments

sort form View by:
  • No Comments

Add your thoughts

Log in now to tell us what you think this song means.

Don’t have an account? Create an account with SongMeanings to post comments, submit lyrics, and more. It’s super easy, we promise!

Back to top