"Crisântemo" as written by and Jacira Roque De Oliveira Felipe Vassao....
Ele bebeu, bebeu
Tipo vencedor
E depois riu, riu
Como o Bira do Jô, cumprimentô
Todo mundo à la vereador
E subiu o morro estilo viatura
Ele nos deu, nos deu
Toda a fé de um pastor
Depois sumiu, sumiu
Deixando só a dor
Ignorou o aviso
Devagar com o andor
E flertou por sobre a vida dura

Trafegou aéreo, dançou sério, pala
Serpente rasteja, credo, pobre mestre sala
Cigarro no bolso, barro, für Elise embala
No solo onde impera, qualquer bonde é vala, vai
Toma outro drink, se é o que lhe resta
To to to toma outro drink, a vida é uma festa
E viaja Almyr Klink, faz eterna sua sesta vai
Nem deu tempo pra dizer, bye bye

E a vida é só um detalhe
A vida é só um detalhe
A vida é só um detalhe
A vida é só um detalhe
É tudo, é nada, é um jogo que mata
É uma cilada
A vida é só um detalhe
A vida é só um detalhe

Padeceu, desceu
Como na seca, flor
E nóis seguiu, seguiu
Juntando o que restou
Uns retrato, disco
Foi morar de favor
Bem quando vi que o
Mundo é sem, calma
Aconteceu, teceu
Como deus desenhou
No que surtiu, surgiu
Um peito sofredor
Era rato, bicho, mofo, fedor
Mais saudade, que é sentir
Fome com a alma

E na ceia migalhas, no júri mil gralhas
Não jure, quem jura mente, pra sempre, fé, falha
Vida, morte, números, ãh, de neguinho
Aqui é cada um com a sua coroa de espinhos e diz
Qual a sua droga? TV, erva, ãh?
Qual a sua droga? Solidão, cerva?
Onde você se esconde? Onde se eleva, hein?
O que é seu, em terra de ninguém?

E a vida é só um detalhe
A vida é só um detalhe
A vida é só um detalhe
A vida é só um detalhe
É tudo, é nada, é um jogo que mata
É uma cilada
A vida é só um detalhe
A vida é só um detalhe

Era dia de Cosme, madrugada
Chovia lá fora
De repente alguém chama
Jacira, sou eu, Luiz
Pressenti, Miguel morreu
O que mais poderia ser?
Além do mais, meu coração já estava apertado
Prevendo desgraça
Na festa do terreiro, a certa hora, o erê subiu
E quem desceu foi seu sultão da mata
Me chamou e disse
Pegue os meninos e vá pra casa
Disse prepare o coração e seja forte, vá!
Levantei, abri a porta e a desgraça se confirmou
Uma briga, o tombo
O seu Zé do doce socorreu
Seu Zé é a representação do estado no Jardim Fontális
Talvez ainda até hoje

Notícia pra dar, vaquinha pra enterrar, Domingo
Justo eu, que me criei sem pai
Perder o pai já é uma tragédia
Perdê-lo na infância é sentir saudade
Não do que viveu, mas do que poderia ter vivido
O enterro, a volta
O olhar do menino marejando, pensando longe
Sem entender
E o meu coração apertado, sem conseguir explicar
O tempo foi encaixando tudo
Os pertences dele sempre no mesmo lugar
O velho chinelo abandonado respondem
Ele não vai voltar
Os dias são escuros mesmo com sol quente
O silêncio de Miguelzinho cala
Cada vez mais fundo no peito da gente
Quando o pai morre
A gente perde a mãe também
Eu já sabia o que era isso
Como pode alguém morrer no mesmo dia que nasceu?


Lyrics submitted by SongMeanings

"Crisântemo" as written by Jacira Roque De Oliveira Felipe Vassao

Lyrics © Warner/Chappell Music, Inc.

Lyrics powered by LyricFind

Crisântemo song meanings
Add your thoughts

No Comments

sort form View by:
  • No Comments

Add your thoughts

Log in now to tell us what you think this song means.

Don’t have an account? Create an account with SongMeanings to post comments, submit lyrics, and more. It’s super easy, we promise!

Back to top
explain