"Povo Que Lavas No Rio" as written by and Pedro Homem De Mello J. Campos....
Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas de meu caixão

Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão

Pode haver quem te defenda,
Quem compre o teu chão sagrado,
Mas a tua vida não

Pode haver quem te defenda,
Quem compre o teu chão sagrado,
Mas a tua vida não

Fui ter à mesa redonda,
Beber em malga que esconda
O beijo de mão em mão

Fui ter à mesa redonda,
Beber em malga que esconda
O beijo de mão em mão

Era o vinho que me deste
Água pura, fruto agreste
Mas a tua vida não

Aromas, de urze e de lama,
Dormi com eles na cama
Tive a mesma condição

Aromas, de urze e de lama,
Dormi com eles na cama
Tive a mesma condição

Povo, povo, eu te pertenço,
Deste-me alturas de incenso,
Mas a tua vida não

Povo que lavas no rio,
Que talhas com o teu machado
As tábuas de meu caixão

Povo que lavas no rio,
Que talhas com o teu machado
As tábuas de meu caixão

Pode haver quem te defenda,
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não

Pode haver quem te defenda,
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não


Lyrics submitted by SongMeanings

"Povo que lavas no rio" as written by Pedro Homem De Mello J. Campos

Lyrics © S.P.A.(SOCIEDADE PORTUGUESA DE AUTORES)

Lyrics powered by LyricFind

Povo Que Lavas No Rio song meanings
Add your thoughts

No Comments

sort form View by:
  • No Comments

Add your thoughts

Log in now to tell us what you think this song means.

Don’t have an account? Create an account with SongMeanings to post comments, submit lyrics, and more. It’s super easy, we promise!

Back to top
explain