"As Cores" as written by and Diego Cunha Silveira Danilo Valbusa....
O vento batem a porta e não me engana mais
Decoração branca não me satisfaz
Eu queria estar no seu lugar, mais não estou
Acham que enlouqueci, perguntam de você pra mim
Eu tento dizer que está tudo bem

Estou igual, vivendo o irreal
Perguntei do final pras flores, as flores são partes do total
Já se tornou banal, me sentir mal, me sinto mal

As cores lá fora me disseram pra continuar
Elas me disseram pra continuar (eu já superei)
Mas eu queria suas mãos nas minhas, revelar as fotos
Que tiramos, e ninguém sabia da sua partida (Da sua partida)

E se foi Se jogou num mar aberto de ilusões
E as ondas te acertaram como eu planejei
Eu exagerei
Um sentimento tão forte, eu sei que tive sorte
Aquilo não era o que eu sou, agora eu sei muito bem quem sou
E o que me tornou

Tão igual vivendo o irreal
Perguntei do final pras flores, as flores são partes do total
Já se tornou banal, me sentir mal, me sinto mal

As cores lá fora me disseram pra continuar
Elas me disseram pra continuar (eu já superei)
Mas eu queria suas mãos nas minhas, revelar as fotos
Que tiramos, e ninguém sabia dessa sua partida (Da sua partida)

Tudo que eu penso parece que é você
Eu tento outros meios, mas não vou esquecer

Tudo que eu falei te fazia chorar
Não te ouvia falar
Só te peço perdão
Hoje canto pra que ouça dos céus que eu não duvidei do amor

Tão igual, vivendo o irreal


Lyrics submitted by SongMeanings

"As Cores" as written by Diego Cunha Silveira Danilo Valbusa

Lyrics © Universal Music Publishing Group

Lyrics powered by LyricFind

As Cores song meanings
Add your thoughts

No Comments

sort form View by:
  • No Comments

Add your thoughts

Log in now to tell us what you think this song means.

Don’t have an account? Create an account with SongMeanings to post comments, submit lyrics, and more. It’s super easy, we promise!

Back to top
explain