Serve o Rei deste teu mundo e despe-te também
Reis que nus vivem a vida reinam-nos tão bem
Em consciência pecas livre a meu lado
Em confissão assumes saber tão bem

Segue o Réu deste teu mundo e serve-te também
Réus que nus roubam a vida gozam-nos tão bem
Em procissão caminhas nua a meu lado
A indecência faz-nos sentir tão bem

Provas o vinho em lábios que se encharcam no que te escorre do corpo
Matas no vício, nasces nas minhas mãos de espada cega em riste
Atas-te a mim, desgraço-me em ti também, com duas balas no peito eu vou reinando sem voz...
Até que o povo nos mate aos dois.

Em procissão caminhas nua a meu lado
A indecência faz-nos sentir tão bem

Provas o vinho em lábios que se encharcam no que te escorre do corpo
Matas no vício, nasces nas minhas mãos de espada cega em riste
Atas-te a mim, desgraço-me em ti também, com duas balas no peito eu vou reinando sem voz...
Até que o povo nos mate aos dois.


Lyrics submitted by Jazzmaster

Até que o povo nos mate aos dois song meanings
Add your thoughts

No Comments

sort form View by:
  • No Comments

Add your thoughts

Log in now to tell us what you think this song means.

Don’t have an account? Create an account with SongMeanings to post comments, submit lyrics, and more. It’s super easy, we promise!

Back to top
explain