"Luta de Classes" as written by and Amaral/rosa....
Tudo que eu posso ver
(Essa neblina)
Cobrindo o entardecer
Em cada esquina
Tudo que eu posso ver
(Essa fumaça)
Cobrindo o entardecer
Em cada vidraça
Mas eu quero te contar os fatos
Eu posso mostrar fatos pra você
É só ter um pouco mais de tato
Que fica claro pra você
Desde a antiguidade
As coisas estão assim, assim.
Os homens não são iguais, não são.
Não são iguais, enfim!

Daí toda essa história
Daí a história surgiu
Escravos na Babilônia,
Trabalhador no Brasil.
Tudo que eu posso ver
(Essa neblina)
Cobrindo o entardecer
Em cada esquina
Tudo que eu posso ver
(Essa fumaça)
Cobrindo o entardecer
Em cada vidraça

Mas veio o ideário
Da tal revolução burguesa
Veio o ideário, veio o sonho socialista.
Veio a promessa de igualdade e liberdade
Cometas cintilantes que se foram pela noite
Existirão enquanto houver um maior!

Daí é que veio a história
Daí a história surgiu
Escravos na Babilônia,
Trabalhador no Brasil.

Do antigo Egito à Grécia e Roma
Da Europa feudal
Do mundo colonial
Do mundo industrial
Na Rússia stanilista e allstrips
Em Cuba comunista
E no Brasil?
E no Brasil, hein?

Daí é que veio a história
Daí a história surgiu
Escravos na Babilônia,
Trabalhador no Brasil.

Baixada!
(Essa neblina)
Chega junto, baixada!
(Essa esquina)

Cobrindo o entardecer
Em cada esquina
Tudo o que eu posso ver
(Essa fumaça)
Cobrindo o entardecer
Em cada vidraça


Lyrics submitted by SongMeanings

"Luta de Classes" as written by

Lyrics © Sony/ATV Music Publishing LLC

Lyrics powered by LyricFind

Luta de Classes song meanings
Add your thoughts

No Comments

sort form View by:
  • No Comments

Add your thoughts

Log in now to tell us what you think this song means.

Don’t have an account? Create an account with SongMeanings to post comments, submit lyrics, and more. It’s super easy, we promise!

Back to top
explain