"Garganta" as written by and Jose Antonio Franco Villeroy....
Minha garganta estranha quando não te vejo
Me vem um desejo doido de gritar
Minha garganta arranha a tinta e os azulejos
Do teu quarto, da cozinha, da sala de estar
Minha garganta arranha a tinta e os azulejos
Do teu quarto, da cozinha, da sala de estar

Veio madrugada perturbar teu sono
Como um cão sem dono me ponho a ladrar
Atravesso o travesseiro, te reviro pelo avesso
Tua cabeça enlouqueço, faço ela rodar
Atravesso o travesseiro, te reviro pelo avesso
Tua cabeça enlouqueço, faço ela rodar

Sei que não sou santa, as vezes vou na cara dura
As vezes ajo com candura pra te conquistar
Mas não sou beata, me criei na rua
E não mudo minha postura só pra te agradar
Mas não sou beata, me criei na rua
E não mudo minha postura só pra te agradar
Vim parar nessa cidade, por força da circunstância
Sou assim desde criança, me criei meio sem lar
Aprendi a me virar sozinha,
E se eu 'to te dando linha é pra depois te ahh
Aprendi a me virar sozinha
E se eu 'to te dando linha é pra depois te abandonar

Aprendi a me virar sozinha
E se eu 'to te dando linha é pra depois te abandonar
Aprendi a me virar sozinha
E se eu 'to te dando linha é pra depois te

Minha garganta estranha

Aprendi a me virar sozinha
E se eu 'to te dando linha é pra depois te abandonar
Aprendi a me virar sozinha
E se eu 'to te dando linha é pra depois te abandonar


Lyrics submitted by annazoff

"Garganta" as written by Jose Antonio Franco Villeroy

Lyrics © Universal Music Publishing Group

Lyrics powered by LyricFind

Garganta song meanings
Add your thoughts

No Comments

sort form View by:
  • No Comments

Add your thoughts

Log in now to tell us what you think this song means.

Don’t have an account? Create an account with SongMeanings to post comments, submit lyrics, and more. It’s super easy, we promise!

Back to top
explain