"Chão de Estrelas" as written by and Sylvio Caldas Orestes Barbosa....
Minha vida era um palco iluminado
Eu vivia vestido de dourado
Palhaço das perdidas ilusões

Cheio dos guizos falsos de alegria
Andei cantando a minha fantasia
Entre aplausos febris dos corações em
Meu barração lá no morro do Salgueiro

Tinha o cantar alegre de um viveiro
Foste a sonoridade que apagou
E hoje, quando do sol, a claridade
Forra o meu barracão, sinto saudade

Da mulher pomba-rola que voou
Nossas roupas comuns dependuradas
Na corda, qual bandeiras agitadas
Pareciam um estranho festival

Festa dos nossos trapos coloridos
A mostrar que nos morros mal vestidos
É sempre feriado nacional
A porta do barraco era sem trinco
Mas a lua, furando o nosso zinco

Salpicava de estrelas o nosso chão
Tu pisavas os astros distraída
Sem saber que a ventura desta vida
É a cabrocha, o luar e o violão




Lyrics submitted by alda

"Chão de Estrelas" as written by Sylvio Caldas Orestes Barbosa

Lyrics © IRMAOS VITALE S.A. - INDUSTRIA E COMERCIO

Lyrics powered by LyricFind

Chão de Estrelas song meanings
Add your thoughts

No Comments

sort form View by:
  • No Comments

Add your thoughts

Log in now to tell us what you think this song means.

Don’t have an account? Create an account with SongMeanings to post comments, submit lyrics, and more. It’s super easy, we promise!

Back to top
explain