Carlos Tê / Rui Veloso

Ai as tardes nas matas
A folhagem por tapete
Tocando tamborim em latas
E a boca a fazer trompete

Subir pinheiro bela arte
Pintar o índio na cara
Meia rota de estandarte
A flamejar na ponta de uma vara

Aí esse tempo
Quando o tempo era largo Madressilva figo verde
E aí que doce o verde amargo

Correr solto nos velados
Ser tão ágil como o gamo
Ver a salamandra ao sol
E o pardal de ramo em ramo

Refrão

Eu sou comanche meio apache
Ele navajo e tu moicana
Faço a canoa e pesco o peixe
Tu és o lume da cabana

Pega nessa faca e faz um golpe
Põe o teu sangue no meu a jorrar
Eu juro trazer o escape
De quem roubar o sol do teu olhar

Refrão


Lyrics submitted by wwb

Irmãos de Sangue song meanings
Add your thoughts

No Comments

sort form View by:
  • No Comments

Add your thoughts

Log in now to tell us what you think this song means.

Don’t have an account? Create an account with SongMeanings to post comments, submit lyrics, and more. It’s super easy, we promise!

Back to top
explain