"Maquinarama" as written by and Francisco Eduardo/de Alvarenga Amaral....
Motorista, siga aquela lua!
Aquela placa, aquela seta, aquela rua,
Pois a minha sorte não vai certa como a sua
Mas atravessa esse beco e continua
Motorista, siga aquela moça
Corpo de seda, coração de louça
Abaixe o rádio pra que ela me ouça
E guarde os meus sonhos em sua bolsa
Eu sei que essa vida contém
Cenas de perplexidade
Esse filme, pensando bem
É improviso pra qualquer idade
Na esquina me dê dois minutos
Pra roubar a ela beijos curtos
Que o amor derruba viadutos
E vai e vem com seus modos brutos
Agora, siga, pegue aquela pista!
Não vou voltar, ainda tendo em vista
Que a confusão humana se tornou ilícita
Chora, se emociona e posa pra revista
Olha, artista, é depois da reta
Até depois de ter sua missão completa
Depois de ver que não houve meta
Que a felicidade é deus que soletra


Lyrics submitted by Shoot_Me

Maquinarama song meanings
Add your thoughts

No Comments

sort form View by:
  • No Comments

Add your thoughts

Log in now to tell us what you think this song means.

Don’t have an account? Create an account with SongMeanings to post comments, submit lyrics, and more. It’s super easy, we promise!

Back to top
explain