"Pompem" as written by and Frederico Mello De/digao Castro....
Menininha da cidade foi pro mato e adorou
Tanta variedade de cobra, que apaixonou
Agora ela é viciada, sorriso de orelha a orelha
Atrás da bicharada, vive trepando nas telhas

Menininha da cidade foi pro mato e se soltou
Levou tanta picada, ficou cheia de calor
A noite ela abre a janela que é pra mosquitada entrar
A gente morde nela e ela coça devagar

Mais alto eu vou subir vamos lá!
Mais alto eu sou baixinho! Que é que há?
Mais alto Ela gritava mais alto e raca-raca
Ia relando no asfalto

Mais baixo ia gemendo mais baixo
Mais baixo o buraquinho é mais embaixo
Mais baixo ia botando para baixo
Eu digo, eita diacho! Ela é feia mas eu sou macho

Entra na veia. Ajoelhou, vai ter que rezar
Deita na teia, aranha malvada, que vai me devorar

Menininha da cidade foi pro mato e se mudou
Casou com um borrachudo que desde o nome ela gostou
Caiçara da mais doida, dos cabelo cheio de nó
Trocou a vida moderna e não larga mais do cipó

Se eu fosse um mosquitinho ia te chupar todo dia
Ia te morder com carinho e nadar na molhadinha
E na noite em que você, dormisse, só de calcinha
Ia pegar na dobrinha onde a carne é bem mais macia


Lyrics submitted by Shoot_Me

"Pompem" as written by / Canisso,, Digao,, Frederico Castro Rodolfo

Lyrics © Warner/Chappell Music, Inc.

Lyrics powered by LyricFind

Pompem song meanings
Add your thoughts

No Comments

sort form View by:
  • No Comments

Add your thoughts

Log in now to tell us what you think this song means.

Don’t have an account? Create an account with SongMeanings to post comments, submit lyrics, and more. It’s super easy, we promise!

Back to top
explain