A fila é circular e só acaba quando o primeiro chegar, comedor de jaca, mão-de-cola pra ela me dar o endereço
é só ver de onde o vento vem se fizer de refém, nunca mais tô de bem
bombom, camarão, mulher boa é violão, bicho bom lá do sertão que caiu na minha mão
quem sabe ele ainda dê a volta certa antes que de merda e eu engula de cambota mas eu tô sossegado,
barrunfeiro véi do rock, pra gata pagar um bóque até torei os dreadlock presentinho da moça,
ela tira da calcinha e a gente sorri. Hoje em dia coisa pura é novidade e eu aceito de coração o camarão com catupiry
e não quero nem saber da sua idade pode vir, bota fé, que eu boto a roupa, se alguém já beijou é sopa,
boca de menina é mé e eu vou, lexotan, solto na vida, dono das puta parida, só pegando aquela que não der
fome do cão, o ronco da "lara" é da fome do cão, o ronco do bucho é da fome do cão
o fim vem logo antes do começo e um relógio do avesso dá o sentido natural pros amigos "que é de presa",
toda a noite a gente reza e pede sempre o bem pra ele que tem a força maioral é lá no "buco" que o "feeling" se faz presente,
unindo o corpo e a mente, e quando eu descer que ela rode eu vou tranqüilo com a pulsação a "mil"
e se eu ver o que ninguém viu, desculpa ai, muleke, não fode do cerrado com minha vara eu vou tocando a onça
e assumo a responsa pra no fim do dia derrubar uma cerva como um amigo velho me falou:
"dessa vida, muleke, tu só leva a vida que tu leva".


Lyrics submitted by Shoot_Me

Fome Do Cão song meanings
Add your thoughts

No Comments

sort form View by:
  • No Comments

Add your thoughts

Log in now to tell us what you think this song means.

Don’t have an account? Create an account with SongMeanings to post comments, submit lyrics, and more. It’s super easy, we promise!

Back to top
explain