Calamidade, tu viu que diabo foi aquilo que passou cumpade,
caiu pra lá do outro lado do rio minha vacas entraram tudo no cio
e a fumaça das abelhas de noite queimando a tchara a água do poço tá salobra os peixe agora fala
e meu cavalo come e caga tanto que enche uma vala parece que o mundo todo ficou doido
e eu fiquei de cara pede pra parar só que não para não um bicho verde me assustou quase tive um enfarte
quando olhei para o pasto estavam por toda a parte minha espingarda carregada disse:
eu to preparada vamo simbora receber o povo de marte nariz de doze
fala boca de tucunaré, boca de bote levanta , narizinho de mocotó
tiro bufado pegue a de cano serrado que é melhor venta de jibóia
boca de gigante, vá chamar beiço de bóia que tromba de elefante tá chegando
tá na hora de cozinhar vamo comer de dois canos foi só na lata beiçudo cuspindo fogo na mata
devagar, cuidado com o gado pra não errar chegou a pouco de fora e não sabe nem as horas
doce de abóbora, chame o caboclo que rouba o ar, com um nariz desse tamanho tu erra o tiro
e o terremoto se a pólvora entrar e tu der um espirro, mas se você boceja agora engole a terra
é bem melhor que acaba a guerra e os marcianos vão falar mais fino
ei , de onde vieram esses muleke feio cabeça de abacate com os olhinhos de japonês e essas pistola
isso é artefato de boiola acho que eu vou comer bala ao mesmo tempo que o digão sola nariz de doze...


Lyrics submitted by Shoot_Me

Nariz De Doze song meanings
Add your thoughts

No Comments

sort form View by:
  • No Comments

Add your thoughts

Log in now to tell us what you think this song means.

Don’t have an account? Create an account with SongMeanings to post comments, submit lyrics, and more. It’s super easy, we promise!

Back to top
explain